Conquistando uma vaga por engano!

01:00 0 Comments A+ a-

Imagem retirada do Google
Primeiramente devo informar que esse foi o engano mais feliz daquele ano - Sirlene Santana
Minhas trapalhadas dariam uma história cômica, se eu tivesse a coragem de escrevê-las - quem sabe um dia. Decidi compartilhar com vocês um desses momentos engraçados e mais felizes da minha vida. Talvez, se fosse planejado, não seria assim.

Foi na metade do ano de 2013 que decidi iniciar um curso de idiomas e o escolhido foi o inglês, por ser minha maior dificuldade. Mas, na realidade, eu estava louca para fazer italiano e depois de refletir bastante, optei em não escolhê-lo por já estar aprendendo sozinha.
Para estudar idiomas na Universidade Estadual da minha cidade é necessário passar em um prova de seleção, por este motivo, peguei provas passadas, revisei alguns assuntos e fiz minha inscrição. É neste momento que vocês vão me achar uma tonta, e confesso que pensei isso também, fiz minha inscrição e nem sequer percebi que iria fazer outro curso e não o Inglês que eu tanto precisava. Paguei o boleto, sem reparar neste pequeno detalhe, imprimi o local da prova e quando foi que notei este bendito engano? No dia da prova, exatamente na entrada.
Esperando que o portão abrisse e vendo a quantidade de pessoas, fui ler o papel em minhas mãos com o local da minha sala para fazer a prova. Levei um susto quando vi o nome “Espanhol” para o curso que eu estava concorrendo a vaga, minha boca formou um perfeito O e eu achei até que era pegadinha, contudo, todos os meus dados estavam corretos e não era brincadeira.
O que acontece quando o espanhol é seu segundo idioma e você não precisa, necessariamente, fazer um curso para aprendê-lo? Fiz a prova rindo deste meu erro, como eu não acreditava que poderia passar, fiz a prova e saí. Voltei para casa e continuei com minha vida normalmente.
No dia do resultado, eu fiz questão de olhar. Ainda não estava acreditando, e quando vi que havia sido aprovada, fiquei surpresa. Não por ter passado, já que estudei tanto quanto os outros, mas por estar com uma vaga para estudar espanhol, sendo que nunca fiz um curso deste idioma. Senti curiosidade, mas me perguntei se não seria tedioso para mim, por ser um pouco inquieta e não conseguir ficar sentada em uma cadeira se a aula não prender a minha atenção. Aceitei o desafio e me matriculei, pensando que após a primeira aula iria procurar outra coisa para fazer.
O caminho da minha casa até o local do curso demorava uns 50 minutos de ônibus. No primeiro semestre estudei todas as sextas-feiras no turno da tarde. Minha professora tinha os cabelos cacheados, branquinha e com um enorme sorriso no rosto, jovem e muito simpática. Relembrei muitas coisas da gramatica espanhola que havia esquecido, com suas aulas. Meus colegas eram pessoas com personalidade muito diferente da minha, mas com muitas coisas para ensinar. Aceitei o curso, não por aprender o idioma, mas por me reciclar e viver experiencias incríveis.
No segundo semestre, mudei de turno e decidi ir para o sábado pela manhã, pois para mim ficava mais cômodo. Eu havia perdido o primeiro dia de aula e fui apenas no segundo sábado. Essa, com toda certeza, foi a turma que fiz mais amizades com meus colegas e que mais me identifiquei, é muito triste saber que por forças externas, não pude finalizar o curso com eles, entretanto o segundo semestre e o inicio do terceiro, estão ainda no meu coração. A professora Débora, é uma pessoa iluminada e encantadora, acredito que temos quase a mesma idade, suas aulas tinham um toque especial que todos ali presente prestavam atenção. Espero ter a amizade dela para toda vida.
No encerramento do segundo semestre, fizemos uma festa simples, porém inesquecível. Com direito a uma canção escrita pelo Daniel, traduzido pela professora e com a melodia feita por mim. No dia, ele não esteve presente, mas aparentemente todos gostaram de como ficou. Para quem não sabe, aquele dia foi muito especial para mim, pois me libertou de um medo que havia me impedido de cantar na frente de outras pessoas após um triste episodio. Eu me senti tão bem naquela sala, que simplesmente cantei, já que sabia que estava entre amigos. Nunca tive a oportunidade de agradecer, já que iniciei a faculdade e não assisti muitas aulas do terceiro semestre. Minha terceira professora era o sorriso em pessoa, de espirito contagiante e olhos que brilham ao falar espanhol, não tive a chance de passar mais tempo com ela, mas o pouquinho que tive de aula, foram especiais também.
As vezes, quando cometemos um erro, não sabemos que no percurso pode se tornar a melhor coisa que aconteceu na nossa vida. Por conta de um erro na inscrição, conheci pessoas especiais, aprendi coisas novas e as lembranças vão ficar guardadinhas no meu coração.
Errar nem sempre é ruim, se você muda seu modo de ver as coisas - Sirlene Santana

Até a próxima!

Graduada em Processos Gerenciais. Apaixonada por automobilismo e esportes em geral, sou Corinthiana e Rojiblanca de coração. Amo ler e assistir filmes e séries. Gosto de conhecer novas culturas e tenho um carinho especial pela Cultura asiática e árabe.